POR QUE ESCREVER E PUBLICAR UM LIVRO?

Há um consenso geral: cada ser humano tem a sua própria sensibilidade, as suas inquietudes, num torvelinho de dúvidas existenciais e profunda necessidade de conhecer e ser reconhecido.  Dentro de tal contexto, o ato de escrever corresponde sempre à busca de interlocutores que não se têm na realidade, o desejo de falar e ser ouvido, a necessidade de compartilhar idéias e pontos de vista, narrar a percepção dos movimentos do mundo, publicar técnicas e ideologias, verbalizar a fé ou as descrenças, os afetos e as frustrações.

Ora, o senso comum nos aponta uma  realidade entristecedora: o homem contemporâneo está cada vez mais só, mais isolado, desconectado de seu próximo, num paradoxal encontro com a solidão, sem que seja essa a sua verdadeira escolha, pois sua natureza é gregária.  Assim, quisera estar sempre articulado com os outros. Ante tal impossibilidade, busca alternativas: frequenta um analista para ouvi-lo, dialoga com o trabalho compulsivo, refugia-se nos encontros virtuais, paga o cachê do acompanhante profissional ou então, alguns - que são cada vez mais numerosos - recorrem às folhas em branco, aos “ouvidos” do papel: A4, A5, carta, executivo, legal, caderno antigo, documento em branco do Word...  Qualquer coisa serve.  E escrevem. E mais: ao escrever, se escrevem.  Em meio ao turbilhão de sentimentos e pensamentos transformados em palavras, frases e parágrafos, ou versos e estrofes, surgem confissões em forma de crônicas, contos, romances, poemas, ensaios, biografias.  Enfim, nasce a matéria-prima de um livro.

Voltemos, assim, à segunda indagação da questão inicial: por que publicar um livro? Ora, bem sabemos que o universo editorial publica muito mais obras que a capacidade do mercado mundial tem de absorver tais produtos culturais; que aos países pobres, ou em desenvolvimento, a inclusão cultural não é ainda uma realidade tangível e que grande parte das pessoas não cultiva o importantíssimo hábito de ler.  Então, por que publicar livros?

Por algumas simples e definitivas razões.  Na frase de Bernard Shaw, muito citada por Clarice Lispector, "A vida é muito curta pra ser pequena", a essência do que nos atemoriza.  Quase todos tememos a fugacidade da vida.  Afinal, como lidar com o que não conhecemos, em nossas tantas limitações?  E buscamos refúgio na idéia de imortalidade, de permanência por meio de coisas palpáveis.  Então, “fazemos e criamos filhos, plantamos árvores e escrevemos livros”. Assim, fazer o registro da nossa vida pequena e efêmera, antes que essa se acabe, nos garante a perpetuidade.

Por todas estas razões e muitas outras mais que ficam implícitas nesta dialética, as pessoas necessitam escrever e publicar seus sonhos, suas confissões e suas necessidades intrínsecas.  E o livro, cofre de palavras e idéias, está sempre ao alcance dos olhos, das mãos e das mentes humanas, cumprindo sua  função permanente de diálogo universal entre os homens.

                     LOGO

                      Assessoria Editorial e Design Gráfico

Regina5 Layout_01F_thumb
Beijando Denadai

Outras capas aqui.

Comentários