UMA AULA SOBRE O MEDO

Colin Firth (ganhador do Oscar de melhor ator em 2011 em “O Discurso do Rei”) no papel do professor George Falconer no filme de Tom Ford, “Direito de Amar” (A Single Man):

Colin

“Há minorias de todo tipo. Loiro, por exemplo. Pessoas com sardas. Mas minoria é considerada como tal só quando constitui um tipo de ameaça à maioria. Uma ameaça real. Ou suposta. E é aí que reside o medo. E se for uma minoria de certo modo invisível… então, o medo é muito maior. É por causa desse medo que a minoria é perseguida. Assim sempre há um motivo. O motivo é o medo. As minorias são só pessoas. Pessoas como nós.

O medo, afinal, é nosso real inimigo. O medo está tomando conta do nosso mundo… sendo usado como ferramenta de manipulação na nossa sociedade. É através dele que os políticos convencem. E que a Av. Madson nos vende coisas que não precisamos. Pensem nisso… Medo de um ataque. Medo de que haja comunistas em cada esquina. Medo de que um país caribenho, contrário ao nosso estilo de vida, constitua uma ameaça. Medo de que a cultura negra domine o mundo. Medo do quadril do Elvis Presley. Talvez esse seja um medo real. Medo de que nosso mal hálito arruíne nossas amizades. Medo de envelhecer. De ficar sozinho. Medo de sermos inúteis. Medo de que não liguem para o que dizemos.”

2825481022Nicholas Hoult, Julianne Moore, Tom Ford e Colin Firth.

3 comentários:

arquitetura do imóvel disse...

Olá, Helô.
É o medo paralisa muita gente,ele já não é abstrato devido a insegurança em que vivemos mas penso que a mídia colabora muito para sua propagação.
Quanto ao texto, acho que as pessoas tem e sempre tiveram medo do novo, não querem sair da zona de conforto, por isso discriminam quem é diferente, as minorias.
Meu medo atual é sobre o futuro emocional dos jovens, sempre isolados, convivendo virtualmente...isso assusta.Eles tem medo do que?
Bjos.
Sílvia

Renata Rubim disse...

O tema medo é fascinante e toca a todos nós. Gostei bastante do texto e penso que apesar do medo sempre ter existido, alguns aspectos do sentimento mudam de acordo com a época, a cultura e o local. Os maiores são sempre os mesmos (morte e sobrevivência).

Casa Très Chic disse...

O medo nos paralisa, nos engessa, o tema é realmente fascinante.
No filme O Discurso do Rei o medo se mostra inteiramente, imobilizante.
Adorei!
Beijos
Tereza